07/04/2011

Dia Mundial da Saúde


É véspera de Páscoa.   Patrick, 10 anos, pede de presente... um coração.

Patrick deveria pedir ovo de chocolate, balas de gelatina, jogo de videogame, um IPod Nano,  mas ele pede um coração. Não há agrado mais vital para esse menino. Nada lhe faz mais sentido. Há pressa em viver.

Os pais, com o coração na mão, aguardam por doação desde 2009, na lista de espera de transplantes.
No Brasil, a cada milhão de pessoas, apenas sete são doadoras. E isso que o índice subiu recentemente. Mas é muito pouco. Há mais de 70 mil receptores aguardando na fila. Faltam consciência e atitude individual para a doação e, claro, também falta investimento do governo no sistema.

Saibam: tudo o que há em mim está disponível após a morte. Levem as roupas que visto, as poucas jóias, minha coleção de livros preferidos, mas por favor levem também o fígado, o pâncreas, as córneas. Pulmões, rins, o que servir. Já estou em pedaços por conhecer a dor de Patrick. Viver é um privilégio, e doar é o mínimo que posso fazer em troca da vida que tenho. Levem meu coração. Mas não hoje, que está em ritmo descompassado, espasmódico, sistólico, disforme. Levem após a morte.

De coração partido, rezo por Patrick. E rezo para que as pessoas em geral estejam mais atentas à dura realidade dos que necessitam daquilo que elas nunca mais vão precisar. Doem órgãos após a morte. Não dói. E ainda é uma forma de perpetuar. Há gente necessitando a todo instante.

Desejo que um coração nobre chegue urgente ao corpo de Patrick. Cada minuto já é bem mais do que ele deveria esperar por esse presente. Tum-tum, Tum-tum, é o Tic-tac de Patrick.

3 comentários:

  1. Olá, blogueiro (a),

    Salvar vidas por meio da palavra. Isso é possível.

    Participe da Campanha Nacional de Doação de Órgãos. Divulgue a importância do ato de doar. Para ser doador de órgãos, basta conversar com sua família e deixar clara a sua vontade. Não é preciso deixar nada por escrito, em nenhum documento.

    Acesse http://doe.vc/mq e saiba mais.

    Para obter material de divulgação, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br

    Atenciosamente,

    Ministério da Saúde
    Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude

    ResponderExcluir
  2. Tatiana,
    Linda demonstração de solidariedade e generosidade. Quando morrer, não sei se deixarei alguma coisa que preste, mas enquanto viva, participo de campanhas de doação de sangue. Acho que é o único banco no qual meu saldo está positivo - o "Banco de Sangue", sem contar, que sempre ganho um todinho e um pacotinho de biscoitos, saio de lá feliz da vida.
    Desejo muita sorte ao Patrick, que ele receba um coração bem lindo.
    Um beijo
    Dinorah

    ResponderExcluir
  3. Querida Dinorah! isso de doar sangue é bem solidário, e fica mais gostoso ainda com o todinho depois. Desejo teu banco de sangue sempre positivo para empréstimos!
    Quanto à doaçao de órgaos, ouvi no rádio agora de manhã que os pais das crianças assassinadas na tragédia na escola do Rio ontem doaram os órgaos dos pequenos. Nada tira a dor dessa gente, céus, mas pelo menos consola saber que outras vidas serão salvas. Beijo, querida.

    ResponderExcluir

Não apague suas pegadas, deixe aqui sua impressão digital!